sábado, 23 de julho de 2011

O coração - Parte 3 - Fim



O telefone toca. Era Saulo. Mariana tenta destratá-lo, mas segue uma frase misteriosa que a principio não entende:
- Você está proibida na minha vida.
-Como? Não entendi...
Saulo ri do outro lado da linha. Mariana emudece, pensa “agora ele irá falar sobre a mulher que estava com ele no hospital”. Saulo continua:
- Nosso último encontro... Bem, senti algo estranho e meu médico disse que me emocionei muito. Estou proibido de fortes emoções...  Você está proibida no cardápio da minha vida...
Mariana não sabe se é verdade ou brincadeira. Ele falou isso rindo, pensa.
-Você está brincando? Não se sentiu bem naquele dia ou seria sua esposa? Está se sentindo culpado? Pode falar Saulo, é melhor falar logo a verdade.
-Hã?
- Obrigado por falar logo, melhor do que ficar me iludindo por uma noite de sexo.
-Desculpa Mary, não sei do que você está falando. Falo sério sobre a proibição de fortes emoções...
Mariana desliga o telefone...

                                                      *       *        *

Alguns meses se passaram... Mariana caminha, arrisca até uma corridinha. Alguém se aproxima em ritmo acelerado e respiração ofegante, Mariana escuta, mas logo balança a cabeça, pensando “não é ele”, já conhecia a respiração de Saulo e aquela com certeza não era dele. E tinha razão, era outro corredor de andar muito rápido e respiração ofegante. Saulo não aparecia por lá desde que tudo acontecera. A vida continua... E continuou.
- Você está bem melhor, correndo e tudo...
Mariana vira-se e vê Saulo caminhando, nunca o vira caminhando. Mas lá estava ele, menos musculoso, um pouco abatido, mas continuava um homem bonito e charmoso. Ela sorri e corre na sua direção.
-Como você está?
-Eu tô muito bem! E antes que você saia correndo quero te chamar para jantar comigo hoje. Quer sair comigo?
-Verdade... Imaturidade a minha, desculpa pelos sumiços! Eu saio com você hoje.
-Até agora não consegui te agradecer direito.

Os dois riem e continuam a caminhar...

Mariana aguarda no restaurante combinado. Saulo aproxima-se acompanhado da mulher que Mariana viu no hospital. Tudo passa pela cabeça de Mariana, desde o motivo que estava ali com sua melhor roupa, seu melhor perfume e o principal seu coração. Mas ele era casado e a mulher vinha linda, maravilhosa e jovem (muito jovem) em sua direção. Mariana decide manter a pose e seguir em frente, afinal era só um jantar de agradecimento, coisa essa de agradecimento, que Mariana dispensava, mas Saulo persistiu e conseguiu.
-Boa noite!
-Boa noite!
Todos sorriem e Mariana se precipita:
-Linda sua esposa Saulo!
Saulo e Giane caem na gargalhada. Mariana fica sem graça e Saulo fala:
-Mariana, gostaria de apresentar minha filha Giane.
Giane ri e completa:
-É um prazer conhecer a mulher que salvou a vida do meu pai!
Uma mistura de desespero, vergonha e arrependimento tomam conta de Mariana. Ela fica muito sem graça e fala:
-Mil perdões, jurava que era esposa de Saulo. Pensava que ele fosse casado. Perdões, mil perdões...
-Meu pai já foi casado... Com minha mãe, mas separam-se há alguns anos...

Os três sentam e conversam animadamente, mas Mariana só pensa em sair correndo daquele lugar e compensar o tempo perdido com Saulo por achar que era casado. Então, como que lendo seus pensamentos Giane diz;
- Bem Mariana, já tinha avisado meu pai, espero que não fique chateada, mas é que tenho uma comemoração de aniversário e terei que sair antes.
- Imagina Giane! Foi ótimo te conhecer! Fique à vontade! Daqui a pouco também tenho que ir embora...
Saulo protesta:
-Ah, não Mariana! Toma mais um chopp comigo e vamos conversar!
Giane despede-se e o papo na mesa segue animado.

-Quer dizer que a senhorita achou que eu fosse casado? Hum... Então foi por isso...
-Achei! Desculpa! Não imaginei que Giane fosse sua filha.
-E agora? O que pretende fazer para se desculpar com minha pessoa?
Dito isso com a cara mais sem vergonha do mundo, Mariana responde:
-Vou recuperar o tempo que perdi.
- Hã?
Mariana tasca lhe um beijo na boca de Saulo, o clima esquenta....
-Melhor pedir a conta, eu também tenho que recuperar muito tempo perdido com você.

 Mariana dá um sorrisinho bem sacana, Saulo pede a conta e Mariana beija Saulo de novo, com muita vontade... O Garçom trás a conta e meio sem graça deixa em cima da mesa, enquanto os dois sentem muita vontade um do outro...
-Mariana eu quero você! Eu quero muito você...
-Se você imaginasse o quanto te quero, sairíamos daqui correndo.
Saulo ri e rapidamente paga a conta, pegando Mariana pelas mãos, beijando-a novamente no meio da rua, encaixando os corpos, apertando-a para junto de si...

Aquela noite o coração de Saulo bateu mais forte sem que nenhum problema atrapalhasse a quente cena de amor que seguiu...

Continua... Na sua imaginação...

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Sobre mundo virtual, futuro e Paulo Coelho

Se você ai, como eu, não entende bulhufas da parte técnica desse imenso mundo virtual, seja bem vindo! Eu não faço idéia do que realmente seja esse mundinho tão imenso e desconhecido para nós que apenas usamos a internet para lazer, pesquisas e se relacionar virtualmente com uma gama de pessoas que você nunca imaginaria conhecer se não fosse a SANTA INTERNET! O que diga eu, que tenho esse humilde blog a qual vos falo, perfil no Facebook, twitter e ainda mantenho meu perfil no velho e ultrapassado Orkut, fora o que não lembro...
Tem gente que fica viciada mesmo!!! Tsc...


Há algum tempo atrás meu pai explicava (ele trabalha com a parte técnica) que as páginas, sites e tudo mais que existe ou existiu virtualmente, ficam guardados em algum lugar nesse tal mundinho virtual, ficam soltas no ar, que nada deixa de existir... Que só os hackers sabem “andar” nessa atmosfera virtual e desconhecida. Cara, a principio, achei que meu velho estava meio que viajando na maionese, depois me lembrei de Matrix (aquele filme...)  e depois pirei o cabeção... Minha mente fértil inventou mil viagens e mil filosofias sobre o assunto e cá pensei com meus botões: “Imagina que tudo que você faz virtualmente, escreve, tuita, comenta, posta no blog, fica lá, em algum lugar que daqui a, sei lá, mil anos, alguém resolver ler isso tudo, estudar tudo, como numa garrafa, com uma mensagem dentro, que viajou milhares de quilômetros e depois de séculos foi encontrada...”
Esse usou demais as redes sociais... Coitado!

Bonito isso, né? BONITO PORRA NENHUMA! Imagina as ASNEIRAS que vão ler? Imagina quanto lixo virtual vão ter que jogar fora? Imagina adaptarem nossa língua para o miguxês internetiano (acabei de inventar isso). Quem serão nosso heróis? Quem serão nossos “malvados”? Quem serão as mentes brilhantes, os pensadores, que farão história no nosso século e nos próximos que virão? Felipe Neto e PC Siqueira serão os novos Sócrates e Platão? (CARALHO! PÉSSIMA ESSA!) O REBOLECHION será considerada a música do nosso século? (KKKK...) Vampiros, Harry Potter e outras tantas criaturas mágicas, serão heróis da literatura do século XXI? Não existirão mais livros de história, existirão blogs de história, vlogs de Literatura e twittcans de biologia... SOCORRO!!! Se existe reencarnação, eu não quero mais voltar!!!

Quem conhece os três figurinhas, dispensa apresentações. Para quem não conhece, são dois carinhas que fazem videos chamados vlogs e o terceiro moço é o vesguinho que canta meteoro...

Ok, mil anos e viajem demais para nossa mente primitiva. Mais daqui a cinqüenta anos muita coisa vai estar diferente. Imagino como serão os imortais da ABL (Academia brasileira de letras) que no meu tempo de brincadeiras no pátio da sede do Rio de Janeiro, sob o olhar de Machado de Assis, eram senhores carrancudos, grisalhos, com ares de nostalgia. Os futuros imortais serão blogueiros, tuiteiros, tatuados e no lugar do Machadão estará Paulo Coelho (!!!!!!!!!!). Putz....
                                                                     Paulo Coelho

Me interna... Enlouqueci de vez... Cheguei a comentar sobre minha teoria das dimensões? Não? Ah, é uma teoria ótima que...

NÃO CONTINUA... Pelo seu próprio bem! Os homens do futuro podem seqüestrá-lo... O.o

segunda-feira, 4 de julho de 2011

O coração - Parte II


O nome dele é Saulo. Pensava nisso enquanto se dirigia ao hospital a qual o doente encontrava-se. Pensou também que nunca escutaria um nome sem uma triste noticia, já que realmente achou que o “moreno maravilha” iria morrer. Mas não morreu. E parecia que todos atribuíam a salvação do homem a suas mãos. Mas ela não sentia, só queria saber como estava e prestar solidariedade.
O quarto indicado era aquele a poucos metros, o coração parecia pular fora do peito, respirou, tomou coragem e foi... Deu três passou e deparou-se com uma mulher abrindo a porta do quarto. Devia ter por volta de 20 anos, era mulata e muito bonita. Recuou. Achou melhor não ir, poderia ser a esposa do tal homem. Deu as costas e foi embora.
A moça que saiu do quarto se dirigiu a recepção do hospital e perguntou:
- Ninguém ainda? Meu pai está todo ansioso pela visita da tal mulher misteriosa que salvou sua vida. Acho que o nome dela é Mariana... Acho que é...
-Mariana?
Pergunta a recepcionista do hospital. Continuando após um sim feito com a cabeça da filha de Saulo.
-Mariana veio sim, já deve estar lá...
A moça volta em direção ao quarto, a fim de agradecer tal mulher por ajudar a salvar a vida do seu pai. Mas encontra apenas seu pai, com os olhos arregalados, provavelmente por achar que sua salvadora entraria na porta naquele momento.
-Pai, que estranho! A recepcionista do hospital disse que a tal Mariana veio, mas cadê? Será que se confundiu?
-Provavelmente Giane. Ela não deve vir. Quando me recuperar procuro por ela.
Saulo ficou triste, mas procurou disfarçar o sentimento para a filha Giane, que percebeu tudo. O pai estava muito “a fim” da tal mulher...
Giane ri, mas disfarça melhor que o pai.


Mariana caminha em mais uma bela manhã. O sol estava límpido, mas não fazia calor, tempo perfeito e calmo. A cabeça estava longe mais uma vez e escuta uma voz nada amigável, virando-se bruscamente:
-Cadê o celular dona? Cadê o relógio? O que é que tu tem ai de bom pá mim?
Era um assaltante, parecia estar bem alterado e queria sair no lucro a qualquer custo, só que Mariana nunca saia para caminhar com nada valioso, então, o meliante revolta-se, alterando seu estado para mais violento, empurrando Mariana no chão e preparando-se para surrá-la. Mariana não vê nada, só escuta outra voz aproximar-se e vê uma luta. O assaltante vai embora, xingando e fazendo gestos feios, Mariana tenta levantar-se e vê uma mão se estendendo, olha para a mão, os olhos ainda estão vertiginosos, respira e segura na mão, quando o corpo chega ao seu eixo, percebe que o homem que a salvou é Saulo. Olham-se por alguns segundos. Saulo tira o cabelo do rosto de Mariana e pergunta:
-Você está bem?
Mariana não responde. A voz não havia voltado a seu estado normal e o coração palpitava pelo ocorrido a pouco e pela presença de Saulo. Então ela responde:
-Estaríamos quites?
Risos, Saulo responde:
-O que você fez por mim foi muito mais importante. E foi um prazer “salvar” você, imagina que até agora segura minha mão...
Mariana percebe então que segurava nas mãos de Saulo, desde que ele as ofereceu para levantá-la. Mariana sente o rosto ficar rubro.
-Ah! Desculpa! E que eu fiquei muito nervosa!
-Imagina pode segurar...
Mas Mariana não torna a segurar e percebe os corpos muito juntos.
-O que faz por aqui sem estar correndo?
-Eu vim procurar você... Estou proibido pelos médicos a voltar correr do jeito que eu fazia... Precisava te agradecer, te reencontrar...
-Sabe, quando te via correr aqui, pensava que você se esforçava demais... Te apelidei mentalmente de The flash...
Os dois riem e Mariana continua:
-Vai sentir falta de praticar esportes como fazia antes. Está proibido de todo e qualquer esforço?
Saulo para, olha para Mariana e diz:
-Não tem proibição médica nesse mundo que me faça parar de fazer alguns esforcinhos...
Os dois riem novamente e com os rostos bem juntos sentem o calor um do outro, a mão de Saulo desliza do braço para a cintura da moça, os corpos se juntam mais, se apertam, se atraem e os lábios se juntam, a temperatura aumenta, a atração entre ambos era inevitável... Beijam-se e o ritmo dos corações era o mesmo, louco e desenfreado, Saulo aperta Mariana contra seu corpo, seu coração bate a um ritmo que não deveria bater, Mariana afasta Saulo do seu corpo e Saulo sente algo estranho. Mariana diz:
-Não! Melhor não...

Continua...

*****************************************************************