domingo, 16 de janeiro de 2011

Nalu e Manu


Levantou a cabeça e se deparou com aquele olhar provocador... Era um olhar que lhe despia, acelerava seu coração... Ninguém a fez sentir isso, nenhum homem... Mas aquela mulher mexia demais com seu íntimo, era uma mistura de tesão, paixão, curiosidade.

Nunca havia estado com uma mulher no sentido atrativo da palavra e aquela altura do campeonato não se imaginava nessa situação. Mas quando não cruzou o caminho com aquela que mexia com sua imaginação, logo o arrependimento de não ter retribuído os olhares de uma forma mais intensa tomou-lhe os pensamentos.

Pensava que talvez tivesse adiantada demais ou atrasada... Sem perceber parou no meio do caminho. Ao levantar o olhar viu aquela mulher mignon, loira, cabelos curtos e um jeito de se vestir que oscilava entre masculino e sensual... Era ela! O coração acelerou... A mulher aproxima-se e fala:
-Perdeu a condução?
Ana Luiza dá uma tímida resposta:
-Não... É que... Sim perdi!
-Eu também! Me atrasei hoje... Agora vai demorar. Acho que só daqui à uma hora! Ta esperando alguém?
-Não...
-Meu nome é Manuela, e o seu?
-Ana Luiza. Mas me chamam de Nalu. É apelido sabe...
-Hummmm que legal! Nalu e Manu...

As duas se olham e riem. Manu faz a proposta:
-Que beber alguma coisa enquanto esperamos?
-Sim! Melhor do que ficar aqui sem fazer nada... Mas só uma hora até vir o próximo ônibus, ok?
-Claro!

Duas horas se passaram e lá estavam as duas rindo alto em um barzinho próximo a rodoviária... Já era tarde, mas não viam o tempo passar. Ana Luiza nunca se divertiu tanto e sentia-se completamente atraída por Manuela. Em certa altura Manu pergunta:
-Você tem namorado?
-Não...
-Então, tem namorada?
-Hã?
Manu ri, vê que Ana Luiza nunca havia estado com uma mulher e disfarça:
-É que você é linda, simpática... Difícil alguém como você ficar sozinha.
-Ah! Imagina... Terminei um namoro há pouco tempo...
-Entendo... Mas ainda gosta da pessoa?
- Não...Não sei... Acho que não mais...
-Era homem?
Ana Luiza ri! Fica vermelha e faz sinal de sim com a cabeça.
-Hã ram...
-Escuta linda, mesmo não querendo isso agora, acho que, precisamos ir... Senão não conseguimos chegar em casa. A não ser que você queira dormir por aqui, comigo...

Manuela passa as mãos no cabelo de Ana Luiza, segurando logo em seguida na sua mão. Ana Luiza a olha e sente o corpo pegando fogo. Esquecem onde estão e aproximam-se quase em um beijo. Mas param e se deparam com o único bêbado que estava no bar olhando fixamente para as duas, acompanhando como que em uma novela, ele diz:
- Podem continuar... Finjam que não estou aqui!
As duas riem, pagam a conta e vão embora... Não era dia de voltar para casa...

************* Continua...

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Sexo casual ( 2ª parte - Final)

O antes e o depois da mesma história...

Nenhuma resposta... Nada! Nenhuma demonstração de nada. Não mais... O que antes era tão bacana parecia ter desaparecido. Elenice não entendia o motivo do afastamento, nunca encontrara pessoa tão bacana, tão parecida com ela...

Remoia por dentro todos os motivos possíveis que levara Enzo a se afastar.
- Será que foi alguma coisa que eu disse? Alguma coisa que fiz?
Mas não encontrava resposta. Então, depois de certo tempo, resolveu ligar para ele e perguntar, como quem não quer nada, o motivo do afastamento.

Era incrível a química que rolava entre eles, mesmo por telefone... E depois de muito conversarem e rirem, Elenice finalmente desabafou:
- Diz que você nunca pensou em mim. Que nunca quis ficar comigo? Que eu juro, se você disser que não, eu nunca mais te procuro, te deixo em paz...

Enzo demorou um pouco a responder... E finalmente disse com muita sinceridade:
- Sabe Elenice, você é uma gracinha! E eu adoro conversar com você... Mas eu não quero me envolver com ninguém... Agora estou na fase do “só sexo”, sabe? Você vai querer namorar e tal... E eu não quero te magoar... Você é especial para mim, ok?

Elenice fingiu muito bem, brincou mais um pouco com Enzo, que não imaginava lágrimas rolando do rosto dela... Elenice sentiu aquela dor no peito que só quem teve um amor não correspondido sentiu...


- Ah amiga! Dá uma lição nele! Vai ficar ai de chororô? Homem não gosta disso gata! Homem gosta de mulher fatal! De ser pisado... Ah, se fosse comigo!

Érica era muito extravagante, mas falava aquilo com a convicção de quem sabe das coisas. A melhor amiga de Elenice já passara por tudo em relacionamento e se dizia muito experiente no caso! E continuou com a aula: “agarre e pise no homem.”

- Você vai ligar para ele e vai dizer, com uma voz sensual, hein?! Nada de voz de menininha boazinha, amiguinha, você tem que ser A PUTA! Ta entendendo amiga? Vai marcar com o “bofe” no Motel...

Elenice ria, mas prestava muito atenção... Era uma tática ótima! Apesar de não fazer o estilo dela, seguiu as recomendações de Érica a finco...


Pelo corredor do motel ouvia seus próprios passos, não acreditava que estava fazendo aquilo. Agora não tinha como voltar atrás, respirou fundo e continuou. Bateu na porta e Enzo abriu... Era visível que ele esperava menos, não conseguia nem falar direito. Aquilo instigou ainda mais Elenice a continuar no seu papel de mulher fatal, a abrir o sobretudo emprestado por sua amiga Érica e a mostrar a lingerie escolhida com cautela para seduzir aquele a sua frente. Após tomar a iniciativa, se deliciou com as mãos de Enzo passando pelo seu corpo, pegando com vontade e levando-a no seu colo até a cama...
- Gostosa! Deliciosa!

Ele era bom naquilo! Beijava gostoso... E quando Elenice se deu conta a lingerie escolhida minuciosamente já estava jogada em algum canto do quarto e Enzo com o rosto entre as pernas dela...
Como não resistir aquele homem maravilhoso?

***********

Elenice saiu do motel e entrou no táxi. Não sabia se tinha feito certo ou errado, a vontade de ficar com ele era muito grande, mas agiu conforme planejou e se daria certo ou não, só à noite maravilhosa já tinha valido a pena arriscar...

“Seria pior se não tivesse tentado...” Pensou Elenice que já ouvia o toque do celular indicando mensagem.

“Não vejo a hora de repetir nosso sexo casual...”


quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Sexo casual

O combinado era esse: Sexo casual, nada a mais... Mas quando Elenice apareceu na porta que se abria, sabia que não seria só casualidade. Era uma mulher linda, cabelos longos, olhar devorador que lhe cortava todas as convicções anti-paixão que defendia.
Mesmo na escuridão do corredor do motel, pode perceber o sobretudo jeans escuro salientando as curvas exorbitantes da moça e com vigor de um adolescente imaginava o que poderia ter por debaixo da sóbria peça de roupa...

-Posso entrar? Ou vai ficar ai só olhando da porta...
Disse Elenice, com uma voz tão sexy quanto seu olhar.
O pensamento de Enzo estava tão distante que ele demorou alguns segundos para responder. Aliás, ele não respondeu, fez um sinal com a cabeça equivalente a um sim e saiu da frente da porta. A moça entrou, o cheiro que exalava era totalmente excitante e o ritmo dos seus passos combinou com as batidas do coração de Enzo: tum, tum, tum, tum...

Ela se virou, encostou levemente em uma pequena mesa que havia no recinto e olharam-se sem ação por um minuto. Apesar do ar fatal de Elenice ela permanecia imóvel. Planejava algo, era visível seu ar de satisfação com um boquiaberto a sua frente. Então, sem tirar os olhos de Enzo, abriu lentamente o sobretudo revelando uma sexy lingerie preta de renda. O sobretudo caiu no chão, Elenice anda lentamente em direção a Enzo, aproxima-se, toca no seu cabelo, seu rosto, sua boca, desce as mãos colocando-a dentro da calça dele, pega com firmeza  no sexo ereto e diz:
- Ta tão paradão ai, que pensei não estar te agradando... Mas acho que já fiz efeito...

Dito isso, dá uma risadinha sacana, se afasta, senta na mesa, abre as pernas e faz com o dedo indicador um sinal de “vem”. Enzo a atende prontamente, beijando com muita vontade a boca de Elenice...              

******
Era um homem desarmado... Estirado na cama olhava para Elenice que o beijava carinhosamente pelo rosto. Ela dizia sussurrando o quanto tinha sido bom e que realmente ele era muito bom de cama. Enzo queria ficar com ela, não pensava mais nada, a abraçou e disse:
-Tô apaixonado! Quero você!
Elenice o olhou muito seriamente, se desvencilhou do abraço, levantou-se e começou a se arrumar, sem dar uma palavra. Enzo não entendeu nada, apenas falou:
-Que foi? O que eu fiz? Fica mais um pouco... Te levo em casa!
Simplesmente ela o olhou e disse:
-Foi você mesmo que antes me implorou casualidade... Só estou fazendo o combinado!
-Então sou eu que te pergunto agora: Diz que você nunca pensou em mim. Que nunca quis ficar comigo? Que eu juro, se você disse que não eu nunca mais te procuro, te deixo em paz...
Ela olhou no fundo dos olhos dele, respirou profundamente e nada respondeu... Apenas deu as costas e foi embora...

Continua... Sob uma outra narrativa. 

Siga-me no Twitter: http://twitter.com/#!/FabiFolly

domingo, 2 de janeiro de 2011

Que venha 2011!




Lá se vai mais um ano, para ser mais precisa mais uma década! E sem essa de: PASSOU RAPIDINHO! Rapidinho porra nenhuma! Foi uma década cheia de assunto. Só esse ano de 2010 teve copa do mundo, vuvuzela, enchentes, goleiro Bruno, eleições, Tiririca (me lembrem se esqueci de algo importante). E no meu pessoal foi um ano que se arrastou, cheio de problemas, chatices e algumas coisas boas...

Mas o que passou, passou... E o ano de 2011 tá aí! Tá... E daí? O que faz um calendário tornar nossas vidas diferentes? Eu não poderia recomeçar, fazer planos no mês de Julho, por exemplo?  Mas essa coisa do novo, do desconhecido, do recomeçar faz com que as pessoas façam promessas até do que não podem cumprir... E eu não fico atrás! To aqui prometendo para minha família recomeçar a malhar, atuar, estudar, emagrecer, fazer a porra toda! Mesmo sabendo que não dá para fazer tudo ao mesmo tempo... Porra! É só um começo de ano! Dia 02 de janeiro, volta tudo ao normal... Hã, hã, hã! Corrigindo: Depois do carnaval tudo volta ao normal... Eita povo brasileiro!

No Natal bebi "umas" taças de vinho a mais e fiquei gritando pelos cantos:
- Não quero saber! Cansei de ser pobre! Em 2011 quero ganhar muito dinheiro!
Tsc, tsc, tsc... Eu falo isso todo ano! Assim como meu padrasto fala há quinze anos que vai morrer ano que vem, mas ele continua aqui, vivinho!!!

Em 2011 farei TRINTA ANOS!!! KCT, gente! E anos para caraléo!!! Foi ontem que eu tinha quinze aninhos, andava de patins e nem sabia o que era... Enfim... Agora a beira dos trinta, olho com saudade um patins na vitrine e relembro dos... Mundinho estranho!

Mas é isso ai... Em dezembro de 2011, se eu ainda estiver por aqui, veremos o que escreverei...

Que venha 2011!!!
Feliz Ano Novo meus querido Desbocados!!!

Fabiana M. Folly - A desbocada