sexta-feira, 2 de março de 2012

Deixa... É carnaval!!!


O que? Acabou o carnaval há muito tempo? Eu sei né! Sai a Globeleza com sua irritante perfeição corporal e entra os coelhos amestrados da páscoa, nossa vida tão controlada por puro marketing... Mas deixa, não é sobre isso que quero comentar no blog, quero falar de alegria, sobre a época do ano que tanto mexe com o comportamento e andamento da vida das pessoas: O CARNAVAL, amado por uns, odiado por outros...
“Deixa... É carnaval!” Sabe quantas vezes ouvi isso durante o período carnavalesco? Muitas vezes! E de diversas pessoas, em lugares, classes e blocos diferentes. Por que ouvia isso? Sabe aquelas situações que só vemos no carnaval? A gordinha que mostra tudo e mais um pouco, o rapaz que SE SOLTA, a velhinha que esquece a idade... Essas coisas que só o carnaval proporciona. E quando alguma alma mais conservadora solta aquela critica, a alma carnavalesca fala com ar blasé: - Deixa... É carnaval!
                                                                                                                            
Eu sou uma alma carnavalesca. ADORO carnaval! Nasci no carnaval, conta minha mãe que o povo pulava carnaval e eu pulava na barriga dela querendo desesperadamente “sair”...  É a única festa do ano que eu curto, não curto festas de páscoa, junina, hallowing, natal, nem ano novo, eu curto carnaval PORRA, me dá licença? Não há período mais divertido! As pessoas são muito criativas, um espírito de carnaval permanece no ar. Em que período do ano se vê marmanjos sarados e fortões com enormes fraldas? Quando se vê Super Mários, Luidis, Smorfs, super mans, mulheres maravilhas, Avatares, MMs coloridos e alegres, até a mulher(homem, sim homem fantasiado) do filme Flash Dance apareceu pelo Boitatá?! E eu que achava ser a única criatura do carnaval, com a incrível idéia de me fantasiar de Slash, encontro outras tantas criaturas criativas com a mesmíssima idéia que eu. Deixa... É carnaval!!!

Meu carnaval também foi de pérolas. Umas coisas que o povo diz que, também, fora dessa época soariam muito estranhas, mas a gente se diverte! O cara negro, baixinho, barrigudinho, com uma bermuda vermelha e gorro de mesma cor, logo gritaram (meus amigos): O SACI! O SACI! SACI!
O cara responde: Tá vendo como vocês são preconceituosos! Eu sou o papai Noel...
Alguns segundos de silêncio... Eu falo: E esse cachimbo ai? Papai Noel não fuma cachimbo...
Rimos e até tiramos uma foto com o figura, que encontrei no dia seguinte em plena Lapa, com fralda e chupeta,  dizendo ele que NO SPEAk PORTUGUESE, SOY GRINGO... GRINGO! NO STAIS VENDO. Apontando para a pele. Que figura, viu?

Na Lapa também encontrei o Chaves negro, que “carcou” atrás do meu amigo Marcio e até me assustou. Mas logo vimos que se tratava de um menino “alegre e descontraído” (sic) com a fantasia do Chaves, até as pintinhas com lápis preto ele fez, mas só dava para perceber com muita observação, diga-se de passagem. O divertido Chaves Negro disse que foi ACAPULCO que fez isso com ele, acabou se bronzeando demais. Minha filha olhava com muito medo e o pobre rapaz alegre sumiu, no meio do bloco, dizendo estar assustando criancinhas... Eu ri.

Carol, minha amiga, se fantasiou de abelha, e lógico, ouviu diversas piadinhas, das mais diversas possíveis, até uma cantada inusitada, a qual ainda não conseguiu traduzir direito, que dizia assim:
- Zzzzzz, zzzzzzz...
O marido dela que não gostou muito disso. Hehehe!!! Deixa... É carnaval!!!

Conta minha mãe que ao passear em Copacabana presenciou o bloco do PERU SADIO (Kkkkkkkk!!!) e que nesse bloco havia um velhinho, bem velhinho, com a sonda pendurada e a enfermeira atrás, afinal, nunca é tarde para sair no bloco do Peru sadio, mesmo quando o peru já não é mais sadio há anos...

O que eu queria ressaltar, que essa leveza e descontração do carnaval, poderia se estender pelo ano todo. O Centro da cidade do Rio de janeiro, com sisudos homens engravatados por todo ano, poderia ser mais leve, as mulheres nunca perderem o espírito da mulher maravilha que habita dentro delas e as senhoras manterem o ar jovial do carnaval, deixar a sisudez para as horas certas, afinal o povo anda trocando “as bolas” e comemorando quando o momento é de reflexão e refletindo quando o momento é de comemoração. Mas é difícil, né? Eu sei...  Também não sou tapada, muitos problemas ocorreram no carnaval, mas pelo menos aqui no Rio de Janeiro, pela quantidade de pessoas que havia nas ruas, os problemas ocorridos já são os esperados... O que me irritou foi os poucos banheiros químicos e a diferença social mesmo no Carnaval. Os blocos da Zona Sul passavam e imediatamente a Comlurb limpava a sujeira. Hoje dia 29/02 ao lado da escola da minha filha, no centro do Rio, ainda há sujeira do carnaval, impressionante!
Por isso eu digo NÃO HÁ ÉPOCA DO ANO COMO O CARNAVAL!!! Até o ano que vem carnaval!!!

Um comentário:

Jacques disse...

Oi, Fabiana, como vai?
Estive fora da blogosfera por um tempo mas estou de volta.
Eu particularmente não curto carnaval, mas acho esta uma festa democrática e saudável.
É claro que sempre existirão os idiotas que bebem demais e provocam brigas e/ou acidentes, mas felizmente ele são minoria.
Valeu pelo recado no Facebook, eu realmente estava com muitas saudades dos colegas blogueiros.
Quando der, apareça na Blogosfera do Face, que tem mais d 500 membros.
Abraço, Fabiana.