terça-feira, 14 de dezembro de 2010

A botija (parte 2)


Encheram-se de coragem! Crucifixo, imagem de Nossa Senhora da Glória e uma pá era certo de levarem. A ansiedade era tanta que espantou o sono dos dois acostumados a dormir muito cedo.


Dez e tantas da noite já caminhavam rumo ao desconhecido, a escuridão era tanta que devorava a luz do lampião, a luz da lua ajuda a iluminar, os barulhos naturais da mata tornavam a caminhada aterrorizante, mas mantinham-se firmes apoiando-se um no outro. Derrepente:

- É aqui!

Disse a mulher com uma grande ânsia, reconhecendo o local dos seus sonhos, uma clareira, duas pedras enormes marcavam seu reconhecimento, começaram a cavar, rezavam um terço. Uma neblina muito forte tomou o lugar, não conseguiam ver nada em volta. O buraco no chão já era bem profundo quando da neblina viam vultos correndo em volta deles. A mulher desmaiou de tanto medo e só foi acordar já certa distância do local ao lado do amigo.

-Cumadre você está mio?

Ela estava muito atordoada e ao longe viu o morto dos seus sonhos ajoelhado chorando no buraco feito por eles, um desconhecido estava ao lado do morto olhando-a, enormes asas negras se abriram, ela entendeu o que havia acontecido, disse ao compadre:

- Satanás venceu! Nos perdemos! Vamos embora...

Compadre nunca contou o que aconteceu depois do desmaio e nunca mais voltaram naquele lugar...

Continua...

3 comentários:

Anônimo disse...

Fabi q honra ver vc trilhando o mundo das letras, persevere lindona, e ameeeeeei a sua gongada em Socrates, esse tal de autoconhecimento eh a coisa mais ilusoria q existe bjao
Andre Dametto

caio disse...

3 partes ??

Coééé!! =/

Eu realmente tava esperando ansioso esse parte, que eu achava que era a final. sacanagem.

Izáh Way disse...

Também achei que era a ultima...Mas tem + lol