segunda-feira, 2 de novembro de 2009

A botija.

   Foi lá para o ano de 2005 ou 2006, não lembro... Minha avó veio de Recife para nos visitar. Muita história contava, daquelas da roça mesmo. Uma das histórias chamou muito minha atenção, a história da botija.
  Botija para quem não sabe são tesouros enterrados por fazendeiros ricos em potes de barro ou baú de madeira, na época não existia caderneta de poupança e como a sociedade era patriarcal os homens escondiam suas fortunas das mulheres em buracos na terra ou paredes. O problema e que eles morriam e ninguém nunca mais sabia de tal tesouro. Dizem que a alma da pessoa fica vagando até alguém desenterrar a botija. Reza a lenda que isso tem que ser feito a meia noite, sozinho e com muita coragem e fé pois aparições, gritos, gemidos, risos de tudo aparece para impedir que a pessoa desenterre o tesouro e liberte o desencarnado.
  Engraçado que ontem (na verdade hoje, pois era 01:00 da manhã) resolvi transformar a narrativa nordestina em um conto.
  Sozinha digitava, o silêncio era total, mas barulhinhos esquisitos a minha volta começaram a me chamar atenção. Não conseguia parar de digitar, fora a imensa impressão de estar sendo observada e que não estava sozinha na sala. Confesso que a sensação não era muito boa, e não consegui ir até o final, comecei a ficar com medo, pois os barulhos, como se fosse gemidos, ficaram mais intensos. Todos dormiam e resolvi desligar o computador e seguir o mesmo caminho do sono.
 Confesso também que estou meio travada em terminar tal conto que trata de almas penadas e tesouros enterrados, quando hoje de manhã reli o que já havia escrito uma coisa chamou muito a minha atenção, aquele modo de escrever não é meu...
SINISTRO..........................................................................................



Eu hein!!!!!!!!!!!! Sai para lá!!!!
E você acredita nessas coisas?

2 comentários:

Diego Novaes disse...

Ih Fabi, pior é que acredito! Rsrs

Vai todo mundo dizer que era alucinação tua, e que você tava cansada e que sonhou e acabou dormindo, que tava bêbada, drogada, chapada, etc, mas o fato é que essas coisas bizarras existem sim.

Na madrugada de domingo pra segunda aconteceu um troço brabo comigo também, mas rezei e tudo ficou nos conformes...rs Como dizem: "Deus é maior"...rs

Agora, vê se pára de ficar mexendo com esses troço brabo né, fia? (bom, a menos que vc vá desenterrar a butija lá e que tenha MUUUUUUUUUUUUUUUUUITO dinheiro!!!...KKKK)

Bom, e por falar em assombração, passa lá no meu brógs que atualizei hj, tem um pé-gelado horrorendo te esperando!!!

MUOHAHAHAHAHAHAHAH!!!

Beijo!!

RANGEL JUNIOR disse...

Olá, Fabiana. Beleza seu tratamento pro assunto da botija. Gostei tb do blog todo. Quem sabe um dia a gente não encontra uma botija dessas, hein? Se bem que um premiozinho da megasena acumulada não seria tão mal assim... rsrsrsrsrsrs
abraços.
Rangel Junior