terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Tarde demais...

Um conto curto, baseado em um  fato real

Era uma noite chuvosa, entra pela porta uma mulher como tantas outras, desesperada. Ela gritava que ia morrer  e chorava incesantemente... 
Não conseguindo ouvir o depoimento, entre tantos fazeres, Dilma se distraiu. Seu colega encarregou-se de coletar o depoimento da desesperada mulher. Quando lembrou da curiosidade a cerca do assunto,  procurou saber o que acontecera. Descobriu que aquela mulher chamava-se Rosângela e vinha queixar-se seguidas vezes de ameça do ex marido, que não aceitava a separação. Sentiu um certo desprezo dos policiais pela situação ali exposta, um comentário dito chamou-lhe a atenção:
- Em briga de marido e mulher, não se mete a colher!
Olhou para a porta e viu a mulher ainda muito nervosa saindo da delegacia com cabeça baixa.
Pesquisou, descobriu outras denúncias da mesma mulher contra seu ex-marido. Calmamente mostrou o resultado pesquisado ao delegado, sujeito esse carrancudo e machão, prontamente disse:
-Olha eu tenho 15 anos de experiência em delegacia, e esse tipo de coisa é normal... Daqui a algum tempo eles voltam! Ai quem vai ficar mal foi quem se meteu! Por favor cuide do seu trabalho que eu cuido do meu.
 Dilma no alto da sua "impotência" de escrivã calou-se, baixou a cabeça.Voltou... uma coisa subiu a garganta e falou:
- Doutor Ubiraci, então denunciar um homem por violência doméstica é coisa rotineira? Até quando vamos ter que esperar para detectar que a denúncia pode ser uma caso sério? É porque ela é mulher? Ou porque é normal uma mulher apanhar?
O delegado enfureceu-se com a resposta(pergunta) e pediu que a escrivã se retirasse.
-Coisa de mulherzinha mesmo!
Disse o delegado dando aquela cossada na região genitália....
No dia seguinte chegou a notícia que aquela mesma mulher havia sido assasinada pelo ex marido com oito tiros a queima roupa em seu trabalho...
Infelizmente para ela não havia mais esperança, e qualquer coisa que seja dita agora vai ficar ao vento, ela já está morta...

4 comentários:

Emmy S. disse...

um conto triste, porém, a negligência existe e convivemos com ela diariamente, pena que ainda existam casos assim aos montes :/
É sempre bom ter pessoas como você que tratam esse tipo de tema com frequência, às vezes chega aos olhos de pessoas influentes que podem fazer algo para mudar essa situação


http://plushmoon.blogspot.com
volta lá quando quiser, obrigada pela visita :*

Byers disse...

Ainda bem um intelectual e diz que toda mulher normal gosta de apanhar.... ;D

Belo conto! Flor, vim aqui te falar da Sunshine já que tu gosta de escrever! (não é merda não viu?rs).

Oh, a Revista Sunshine, uma coleção de poemas e contos, além de artigos sobre cultura pop.

=D
www.revistasunshine.com.br

Neeymahr Oliveira disse...

Nossa! seu texto traz muito emoção...
Faby, embora literato, nao me considero para fazer o seguinte comentário. Acho seus textos lindos.

Este embora com muita emoção, tem um que comercial presente, será que é influência do emprego atual?

Beijos... Sucesso.

Ps. blog atualizadissimo... aguarde a proxima post

Entre nós... disse...

Pena qe muitos desses delegados estão por ai... E quantos covardes se escondendo sob aparências. Que o povo aprenda a manifestar-se e não calar tais atos degradantes.
Obrigado e parabéns pela feliz escrita!