segunda-feira, 27 de julho de 2015

Sobre mim, sobre eu, sobre seu sexo, sobre meu sexo, sobre qualquer coisa...

    
    Este não é um texto sobre você. É sobre mim (“é sobre eu” pensou o chato: foda-se o português correto quero colocar SOBRE MIM). Apesar de já começar assim, tenho a certeza que você pensará que é realmente sobre você. É um desabafo, um devaneio...

         Esse texto é sobre o meu corpo, sobre a minha liberdade, sobre os meus pensamentos, sobre o meu sexo, sobre o seu sexo... Esse texto é um desabafo ao seu sexo que é realmente gostoso, seu sexo é nobre e fugaz. Minha fuga, meu retiro da realidade, talvez minha salvação, talvez o meu grande erro, talvez até o SEU grande erro... Ninguém sabe nada sobre nós, nem nós mesmos.

          Mas só vou te contar um segredo: Eu te quero. Eu não te quero.

         Eu te quero para ter seu beijo na minha alma, sua língua na minha boca, sua pele na minha pele, seu gosto no meu corpo, meu gosto no seu cheiro, essa mistura que ninguém sabe onde começa e termina, essa voracidade de corpos, de suor, de paixão, de mordidas, apertos e arranhões.

         Eu não te quero para me fazer chorar, não te quero para amar, eu não te quero para ter um filho, eu não te quero para formar uma família.

         Só você me interessa, só teu sexo me interessa.

Mentira.

        Sou louca e na minha loucura te desejo infinitamente, de todas as formas...

Mentira.

      Sou movida pela razão, blindada para não amar mais ninguém, nem você que tanto gosto, nem você que tanto penso, nem você que tanto poderia amar... Nem você.

       Não interessa qual das dubiedades é a certa. O que está em foco sou eu e não você. Mas esse eu é você. Não pense na figura da escritora te dizendo isso. Todas as palavras que você leu, saíram da sua boca e é você pensando em mim.

      Eu não te quero.

Mentira